Conecte-se conosco

Estado

Ao contrário do que diz Conselheiro do TCE-GO, saldo negativo da conta centralizadora do Estado de Goiás cresceu 73,8% em 2014

Atual presidente do Tribunal de Contas do Estado de Goiás e relator das contas do governador em 2014, Celmar Rech disse ao jornal O Popular que em 2014 teria havido a redução do saldo negativo da conta centralizadora e esse seria uns dos motivos que o levaram a opinar pela aprovação das contas daquele ano

Publicado

em

Celmar Rech, presidente do Tribunal de Contas do Estado de Goiás

Em entrevista ao Jornal O Popular, o atual presidente do Tribunal de Contas do Estado de Goiás (TCE-GO), Celmar Rech, disse que em 2014, quando foi o relator das contas do governador Marconi Perillo, houve redução do saldo negativo da conta centralizadora, uma conta criada em 2001 e que centralizava cerca de 130 outras contas de órgãos e fundos pertencentes ao Estado de Goiás.

Ouvido pela jornalista Fabiana Pulcineli, o presidente do TCE-GO dise que as contas de 2014 não mereciam reprovação e que, com muita tranquilidade, sugeriu a aprovação das mesmas.

“Não vou falar de 2018 porque não conheço as contas ainda e não sei como o tribunal vai se posicionar. Mas em 2014 houve cumprimento de índices constitucionais, redução do déficit da conta centralizadora, que em 2015 voltou a subir violentamente. Estou muito seguro sobre 2014”, afirmou.

No entanto, ao contrário do que disse Celmar Rech, em 2014, segundo relatório da área técnica do Tribunal, houve um salto no rombo do caixa da famigerada conta centralizadora, o maior deles desde 2010. O saldo negativo da conta que foi criada no primeiro governo de Marconi Perillo cresceu cerca de R$ 633 milhões e alcançou R$ 1,492 bilhão (veja gráfico acima).

No relatório sobre as contas do governador de 2014, elaborado pela Gerência de Controle de Contas do TCE-GO, os auditores anotaram que o saldo negativo da conta centralizadora seria decorrente de alavancagem financeira, na qual o Tesouro se apropriou dos recursos da referida conta, ficando devedor para com a mesma e consequentemente para com os demais órgãos e entidades do Estado.

“Nota-se, dessa forma, um aprofundamento do descompasso financeiro do Estado, tendo em vista que apenas no exercício de 2014 a dívida do Tesouro Estadual para com os órgãos/entidades aumentou R$ 633.914.996,42. Tal descompasso representa um acréscimo de 73,81% com relação ao exercício anterior e 42,47% com relação ao saldo negativo acumulado desde o exercício de 2001, quando foi instituída a conta centralizadora”, citaram os auditores do TCE-GO.

Celmar Rech afirmou, ainda, que os índices constitucionais da saúde e educação teriam sido cumpridos pelo governo de Goiás em 2014, mas o relatório técnico que, em tese, é o instrumento que embasa as decisões dos conselheiros é muito claro ao afirmar que o governo não possuía, ao final daquele exercício, disponibilidade de caixa suficiente para a inscrição dos restos a pagar.

“Ao se considerar que dos R$ 1,5 bilhão de recursos centralizados só restavam disponíveis ao final do exercício cerca de R$ 50 milhões, infere-se que o índice de aplicação em Ações e Serviços Públicos de Saúde restaria descumprido, haja vista que só no exercício de 2014 foram inscritos em restos a pagar cerca de R$ 370 milhões”, relataram.

Continue Lendo
Clique para comentar

Deixe um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Estado

Ex-governador Marconi Perillo emite nova nota à imprensa dirigida ao governador Ronaldo Caiado

Publicado

em

Por

Confira na íntegra nova nota emitida pelo ex-governador Marconi Perillo (PSDB) em resposta aos recentes ataques promovidos pelo governador Ronaldo Caiado (DEM).

NOTA

É certo que Goiás vive tempos sombrios, nos quais o atual governador, usando de sua posição, ameaça, vilipendia, agride muitos, e tem como alvo principal a minha pessoa.

Ante a absoluta falta de argumentos em face do caos administrativo em que foi mergulhado o estado de Goiás pela notória incompetência do atual governador, ele, em completo desequilíbrio, parte para a agressão rasteira, chula, medíocre e cruel.

Tenho o direito de me defender de agressões como qualquer cidadão. Tenho o direito de criticar como qualquer cidadão. O faço no campo político e da crítica administrativa, o que irrita, destempera e acentua o total desequilibrio do atual governador.

Me defendi quando fui atacado por ele em uma missa, local sagrado que ele sequer tem a decência de respeitar.

Me defendi quando ele, em encontro de imigrantes nordestinos, não respeitando a ocasião, me agrediu destemperadamente.

Agora, em mais um capítulo sombrio, o atual governador não só me agride, mas ataca minha família – esposa, filhas, pai e irmãos.

Estou sempre pronto para a aspereza do debate político, e calejamento para suportar e reagir a ataques pessoais. Se necessário, vou à Justiça, como todo homem civilizado faz, para defender a minha história, dentro das normas do estado de direito em que vivemos.

Quando um homem público, um governador, agride mulher, filhas, pai e irmãos, isso só evidencia a covardia do algoz.

A insanidade e fixação inexplicável do atual governador por mim extrapolaram todos os limites da civilidade e do bom senso.

Minha família eu somos vítimas de agressões gratuitas e fora de todos os parâmetros da democracia.

Não há na história recente de Goiás um governador que, de forma descompensada e irresponsável, tenha atacado a família de um ex-governante, ainda mais de maneira tão torpe.

Posturas como essa remontam à época dos coronéis.

Evidente que esses ataques fazem parte da estratégia do governador de desviar a atenção da população de sua incompetência, arrogância, inércia, inaptidão e falta de compostura para o cargo que os goianos o elegeram.

Não existe no país nenhum político sério que leve discussões políticas para o lado familiar. Em respeito à esposa e filhas do atual governador, não tecerei nenhum comentário sobre a família dele.

Digo ao atual governador que brigue comigo, e não com minha mulher, filhas, meu pai ou irmãos – para que não evidencie para todos a sua covardia.

Aceito a provocação e o desafio que ele fez. Vamos abrir, sim, as contas de cada um, e mostrar à população quem está faltando com a verdade. Todas as minhas receitas e despesas estão em minhas declarações de Imposto de Renda, tive todos meus sigilos quebrados, tenho a mais absoluta segurança dos meus atos.

Mas é importante que o atual governador aponte as provas do que acusa, afinal, se tem conhecimento de fato criminoso, tem também a obrigação de denunciar aos órgãos competentes.

Use sua polícia política, sua SS, invente fatos, acuse infundadamente e, ao final, quando for provado o uso do cargo para atacar adversários, espero que a Justiça o puna.

Como toda pessoa sóbria, ao contrário dele, que desqualifica o Judiciário, eu confio na Justiça de Deus e dos homens, e vou até as últimas consequências para tirar a máscara do atual governador. Goiás irá conhecê-lo.

Por fim, Caiado, desça do palanque e comece a trabalhar!

Marconi Perillo
Ex-governador de Goiás

Continue Lendo

Estado

Teatro de Pirenópolis receberá do governo e Iphan mais de R$ 6 milhões pra restauração

Publicado

em

Ronaldo Caiado classificou o recurso – o terceiro alcançado junto ao Instituto para Goiás – como um “presente ímpar” para o Estado, dada a importância do Teatro Sebastião Pompeu de Pina para o povo pirenopolino e goiano

O governador Ronaldo Caiado firmou mais uma parceria em prol da preservação do patrimônio goiano. Em reunião na tarde desta segunda-feira (19/8) na sede do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan), em Brasília, foi anunciado um recurso de R$ 6 milhões para a restauração e requalificação do Teatro Sebastião Pompeu de Pina, em Pirenópolis. “Estamos dando uma resposta ao povo pirenopolino e goiano. Amamos nosso patrimônio histórico e estamos lutando cada vez mais para recuperá-lo”, afirmou o governador. Desde o início de sua gestão, Caiado tem articulado, em em Brasília e em Goiânia, recursos para serem investidos na recuperação e conservação de prédios históricos do Estado.

Diretor de Patrimônio Material do Iphan, Andrey Schlee garantiu que o recurso já “está comprometido e destinado para a recuperação do prédio”. O aviso de licitação para as obras foi publicado no Diário Oficial da União na edição de sexta-feira (16/8). “A diretoria do Iphan se sensibilizou para a demanda. Fizemos um esforço grande da questão orçamentária para apoiar a iniciativa. Hoje a licitação já está na rua, ou seja, o dinheiro já está comprometido e destinado para a recuperação do teatro”, explicou.

Essa parceria do Governo de Goiás com o Iphan vai resolver um drama antigo enfrentado pelo prédio histórico, que está interditado desde 2016 e acabou sendo escorado no ano seguinte. Caiado agradeceu a sensibilidade do Iphan, lembrando que diante da atual crise fiscal do Estado, com recursos próprios só seria possível realizar uma interferência de salvamento da estrutura. “O teatro está caindo”, relatou o governador, apontando o descaso da gestão anterior com o patrimônio.

Agora, com o recurso liberado pelo Iphan, o Teatro de Pirenópolis será inteiramente requalificado. As interferências serão realizadas não só na estrutura, como nos equipamentos necessários para o pleno funcionamento do local, como ar condicionado, poltronas e demais mobiliários, equipamentos de som e de iluminação. Caiado avaliou que a obra fará do Teatro de Pirenópolis o melhor teatro do interior do Estado de Goiás.

Superintendente do Iphan em Goiás, Salma Saddi lamentou o fato de o Teatro Sebastião Pompeu de Pina ter sido restaurado anteriormente, mas não ter recebido a manutenção necessária. A partir de uma demanda encaminhada pelo governador, disse, buscou uma interferência junto ao Iphan nacional. “É a saída melhor possível. Vamos executar um excelente projeto”, garantiu.

A partir de agora, cuidar e preservar são palavras-chave. Uma das preocupações do Governo de Goiás é a conservação dos bens recuperados. O governador Ronaldo Caiado determinou que a Secretaria de Cultura de Goiás, por meio da Superintendência de Patrimônio Histórico, Cultural e Artístico, cuide da preservação dos prédios restaurados e da fiscalização dos bens tombados. “É inadmissível que um bem histórico recuperado esteja sob risco”, disse.

Também participaram da reunião na sede do Iphan o diretor de Patrimônio Imaterial, Hermano Queiroz; o diretor de Departamento de Projetos Especiais, Robson Almeida; e o diretor do Departamento Cooperação e Fomento, Marcelo Brito.

*Trabalho conjunto*
A parceria entre Iphan nacional, Iphan de Goiás e Governo do Estado se intensificou neste ano. Em abril, o Instituto anunciou a liberação de recurso de R$ 7 milhões para a recuperação do prédio da antiga Chefatura de Polícia, localizado na Praça Pedro Ludovico Teixeira, mais conhecida como Praça Cívica. O edifício, que é tombado pelo Iphan e protegido no âmbito estadual pelo Decreto nº 4.943, está fechado desde 2015 devido ao comprometimento de sua estrutura.

Logo depois, durante a celebração da Semana Santa na cidade de Goiás, o governador anunciou outra parceria com o Iphan, que liberou outros R$ 7,5 milhões para a recuperação do prédio da primeira sede da Polícia Militar do Estado de Goiás, na antiga Vila Boa. No local funciona o 6º Batalhão da Polícia Militar (BPM). Construída no século XIX, a edificação é feita com taipa, adobe e pau a pique e funcionou como sede do Comando da PM até 1936.

Continue Lendo