Conecte-se conosco

Estado

Caiado completa secretariado em busca de gestão eficiente

Publicado

em

O governador Ronaldo Caiado (DEM-GO) completa sua equipe nesta semana com a missão de melhorar as pautas do governo de Goiás.

Durante os primeiros 40 dias de governo, o gestor enfrentou um dos piores cenários políticos já herdados em Goiás por uma equipe de transição.

A gestão de Caiado é chamada na ciência política de “quebra de ciclo”.

Seu governo substitui um grupo que esteve no poder durante duas décadas, cuja atuação foi marcada por denúncias de corrupção, prisão de aliados políticos, venda de estatais históricas e investigação de improbidade administrativa.

Com uma dívida de R$ 25 bilhões apontadas pelo Tesouro Nacional, o Governo de Goiás ainda apresenta uma dívida de R$ 5,7 bilhões em inadimplementos urgentes, caso de pagamento de OSs e faculdades que participam do programa “Bolsa Universitária”.

Nesta terça-feira, 12, o ex-senador Wilder Morais (DEM-GO) assume a Secretaria de Indústria e Comércio (SIC) com a missão de melhorar os números econômicos do Estado.

Considerado um dos principais auxiliares de Caiado, Wilder terá como missão reaquecer o comércio e a indústria de Goiás.

Wilder assumirá a pasta em um momento delicado para Goiás, que enfrenta o início de um processo de desindustrialização.

O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) tem demonstrado que o Estado sofre grande perda no setor. A “Pesquisa Industrial Mensal – Produção Física Regional” divulgada em agosto mostrou que Goiás é o estado que mais sofreu perdas no ano (-3,6%).

No mesmo período, o IBGE apontou que o Amazonas teve alta de 10,9% e Pará 9,2%.

A situação piorou em dezembro, com a nova rodada da pesquisa: a queda mais intensa na comparação anual ocorreu novamente em Goiás (-6,5%).

Além de Wilder, outros secretários terão grandes desafios.

Vão ser empossados pelo governador ainda Valéria Torres (Comunicação Social), Rafael Rahif (Esporte) e Antônio Carlos Lima Filho (Agricultura).

ENTRAVE

Um dos primeiros requerimentos da gestão Caiado foi endereçado ao governo Jair Bolsonaro (PSL).

Goiás tentou entrar no Regime de Recuperação Fiscal (RRF), mas foi vetado por Paulo Guedes, ministro da Economia, por não se enquadrar na legislação.

Primeiro estado a utilizar a nova legislação que regulamenta a recuperação fiscal, o Rio de Janeiro obteve permissão para adentrar no regime devido o evidente grau de endividamento.

De imediato, o Tesouro Nacional pagou suas dívidas, suspendendo por até três anos o pagamento de todas as obrigações.

O aumento da dívida consolidada é uma das premissas para que o Estado consiga adentrar no sistema RRF.

O caso do Rio Grande do Sul é emblemático: antes de entrar com pedido administrativo de recuperação fiscal, ele conseguiu uma decisão liminar na Justiça para interromper o pagamento das dívidas – consideradas muitas vezes injustas, devido a voracidade da progressão que surge com as altas taxas de juros.

No momento este é o principal problema de Goiás: a dívida deixada pelas gestões anteriores podem inviabilizar o governo.

Caberá ao governador, com suas ferramentas de gestão, mudar a rota do Estado.

 

Continue Lendo
Clique para comentar

Deixe um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Estado

Ex-governador Marconi Perillo emite nova nota à imprensa dirigida ao governador Ronaldo Caiado

Publicado

em

Por

Confira na íntegra nova nota emitida pelo ex-governador Marconi Perillo (PSDB) em resposta aos recentes ataques promovidos pelo governador Ronaldo Caiado (DEM).

NOTA

É certo que Goiás vive tempos sombrios, nos quais o atual governador, usando de sua posição, ameaça, vilipendia, agride muitos, e tem como alvo principal a minha pessoa.

Ante a absoluta falta de argumentos em face do caos administrativo em que foi mergulhado o estado de Goiás pela notória incompetência do atual governador, ele, em completo desequilíbrio, parte para a agressão rasteira, chula, medíocre e cruel.

Tenho o direito de me defender de agressões como qualquer cidadão. Tenho o direito de criticar como qualquer cidadão. O faço no campo político e da crítica administrativa, o que irrita, destempera e acentua o total desequilibrio do atual governador.

Me defendi quando fui atacado por ele em uma missa, local sagrado que ele sequer tem a decência de respeitar.

Me defendi quando ele, em encontro de imigrantes nordestinos, não respeitando a ocasião, me agrediu destemperadamente.

Agora, em mais um capítulo sombrio, o atual governador não só me agride, mas ataca minha família – esposa, filhas, pai e irmãos.

Estou sempre pronto para a aspereza do debate político, e calejamento para suportar e reagir a ataques pessoais. Se necessário, vou à Justiça, como todo homem civilizado faz, para defender a minha história, dentro das normas do estado de direito em que vivemos.

Quando um homem público, um governador, agride mulher, filhas, pai e irmãos, isso só evidencia a covardia do algoz.

A insanidade e fixação inexplicável do atual governador por mim extrapolaram todos os limites da civilidade e do bom senso.

Minha família eu somos vítimas de agressões gratuitas e fora de todos os parâmetros da democracia.

Não há na história recente de Goiás um governador que, de forma descompensada e irresponsável, tenha atacado a família de um ex-governante, ainda mais de maneira tão torpe.

Posturas como essa remontam à época dos coronéis.

Evidente que esses ataques fazem parte da estratégia do governador de desviar a atenção da população de sua incompetência, arrogância, inércia, inaptidão e falta de compostura para o cargo que os goianos o elegeram.

Não existe no país nenhum político sério que leve discussões políticas para o lado familiar. Em respeito à esposa e filhas do atual governador, não tecerei nenhum comentário sobre a família dele.

Digo ao atual governador que brigue comigo, e não com minha mulher, filhas, meu pai ou irmãos – para que não evidencie para todos a sua covardia.

Aceito a provocação e o desafio que ele fez. Vamos abrir, sim, as contas de cada um, e mostrar à população quem está faltando com a verdade. Todas as minhas receitas e despesas estão em minhas declarações de Imposto de Renda, tive todos meus sigilos quebrados, tenho a mais absoluta segurança dos meus atos.

Mas é importante que o atual governador aponte as provas do que acusa, afinal, se tem conhecimento de fato criminoso, tem também a obrigação de denunciar aos órgãos competentes.

Use sua polícia política, sua SS, invente fatos, acuse infundadamente e, ao final, quando for provado o uso do cargo para atacar adversários, espero que a Justiça o puna.

Como toda pessoa sóbria, ao contrário dele, que desqualifica o Judiciário, eu confio na Justiça de Deus e dos homens, e vou até as últimas consequências para tirar a máscara do atual governador. Goiás irá conhecê-lo.

Por fim, Caiado, desça do palanque e comece a trabalhar!

Marconi Perillo
Ex-governador de Goiás

Continue Lendo

Estado

Teatro de Pirenópolis receberá do governo e Iphan mais de R$ 6 milhões pra restauração

Publicado

em

Ronaldo Caiado classificou o recurso – o terceiro alcançado junto ao Instituto para Goiás – como um “presente ímpar” para o Estado, dada a importância do Teatro Sebastião Pompeu de Pina para o povo pirenopolino e goiano

O governador Ronaldo Caiado firmou mais uma parceria em prol da preservação do patrimônio goiano. Em reunião na tarde desta segunda-feira (19/8) na sede do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan), em Brasília, foi anunciado um recurso de R$ 6 milhões para a restauração e requalificação do Teatro Sebastião Pompeu de Pina, em Pirenópolis. “Estamos dando uma resposta ao povo pirenopolino e goiano. Amamos nosso patrimônio histórico e estamos lutando cada vez mais para recuperá-lo”, afirmou o governador. Desde o início de sua gestão, Caiado tem articulado, em em Brasília e em Goiânia, recursos para serem investidos na recuperação e conservação de prédios históricos do Estado.

Diretor de Patrimônio Material do Iphan, Andrey Schlee garantiu que o recurso já “está comprometido e destinado para a recuperação do prédio”. O aviso de licitação para as obras foi publicado no Diário Oficial da União na edição de sexta-feira (16/8). “A diretoria do Iphan se sensibilizou para a demanda. Fizemos um esforço grande da questão orçamentária para apoiar a iniciativa. Hoje a licitação já está na rua, ou seja, o dinheiro já está comprometido e destinado para a recuperação do teatro”, explicou.

Essa parceria do Governo de Goiás com o Iphan vai resolver um drama antigo enfrentado pelo prédio histórico, que está interditado desde 2016 e acabou sendo escorado no ano seguinte. Caiado agradeceu a sensibilidade do Iphan, lembrando que diante da atual crise fiscal do Estado, com recursos próprios só seria possível realizar uma interferência de salvamento da estrutura. “O teatro está caindo”, relatou o governador, apontando o descaso da gestão anterior com o patrimônio.

Agora, com o recurso liberado pelo Iphan, o Teatro de Pirenópolis será inteiramente requalificado. As interferências serão realizadas não só na estrutura, como nos equipamentos necessários para o pleno funcionamento do local, como ar condicionado, poltronas e demais mobiliários, equipamentos de som e de iluminação. Caiado avaliou que a obra fará do Teatro de Pirenópolis o melhor teatro do interior do Estado de Goiás.

Superintendente do Iphan em Goiás, Salma Saddi lamentou o fato de o Teatro Sebastião Pompeu de Pina ter sido restaurado anteriormente, mas não ter recebido a manutenção necessária. A partir de uma demanda encaminhada pelo governador, disse, buscou uma interferência junto ao Iphan nacional. “É a saída melhor possível. Vamos executar um excelente projeto”, garantiu.

A partir de agora, cuidar e preservar são palavras-chave. Uma das preocupações do Governo de Goiás é a conservação dos bens recuperados. O governador Ronaldo Caiado determinou que a Secretaria de Cultura de Goiás, por meio da Superintendência de Patrimônio Histórico, Cultural e Artístico, cuide da preservação dos prédios restaurados e da fiscalização dos bens tombados. “É inadmissível que um bem histórico recuperado esteja sob risco”, disse.

Também participaram da reunião na sede do Iphan o diretor de Patrimônio Imaterial, Hermano Queiroz; o diretor de Departamento de Projetos Especiais, Robson Almeida; e o diretor do Departamento Cooperação e Fomento, Marcelo Brito.

*Trabalho conjunto*
A parceria entre Iphan nacional, Iphan de Goiás e Governo do Estado se intensificou neste ano. Em abril, o Instituto anunciou a liberação de recurso de R$ 7 milhões para a recuperação do prédio da antiga Chefatura de Polícia, localizado na Praça Pedro Ludovico Teixeira, mais conhecida como Praça Cívica. O edifício, que é tombado pelo Iphan e protegido no âmbito estadual pelo Decreto nº 4.943, está fechado desde 2015 devido ao comprometimento de sua estrutura.

Logo depois, durante a celebração da Semana Santa na cidade de Goiás, o governador anunciou outra parceria com o Iphan, que liberou outros R$ 7,5 milhões para a recuperação do prédio da primeira sede da Polícia Militar do Estado de Goiás, na antiga Vila Boa. No local funciona o 6º Batalhão da Polícia Militar (BPM). Construída no século XIX, a edificação é feita com taipa, adobe e pau a pique e funcionou como sede do Comando da PM até 1936.

Continue Lendo