Conecte-se conosco

Estado

Diagnóstico grave: 36,9% dos goianos saem das escolas sem saber o básico

Publicado

em

Os números são assustadores: 36,9% dos estudantes goianos das escolas públicas saem do ensino médio sem saber o básico.  Ou seja, “básico” significa mínimo. Praticamente não sabem nada do que foi ensinado. É um dado gravíssimo que desmonta toda a máquina de propaganda em volta da educação goiana.

No Entorno do Distrito Federal, a situação é mais complicada: em Águas Lindas, por exemplo, 51,9% dos alunos deixam o terceiro ano do ensino médio sem saber o básico de matemática.

E detalhe: existem estudos sobre violência que mostram como a educação ruim na região ampliam os casos de criminalidade.  Mas isto é outra história.

Outros dados sobre a educação goiana: em 2018, apenas 25, 3% dos estudantes de terceiro ano saíram do ensino médio, com proficiência em matemática.

A situação parece melhorar um pouco em português: 45% dos estudantes apresentam proficiência.

Estes números são originados do Sistema de Avaliação Educacional do Estado de Goiás (Saego), que aponta Goiás como estado em nível crítico no segmento de educação.

O jornal “O Popular” desta segunda-feira, 15, trouxe reportagem ampla sobre os dados e entrevista com a atual secretária de Educação, Fátima Gavioli, e a anterior, Raquel Teixeira.

Questionada por qual motivo a educação em Goiás piorou no último ano (na verdade, tem sido ruim desde 2011), segundo os números do Saeb, a professora Raquel Teixeira disse que não ficou o ano todo na secretaria e que as mudanças constantes de secretários  (depois dela, Marcos das Neves e Flávio Peixoto foram os gestores) podem ter influenciado. “Teve um período de muita mudança, mais tumultuado, lógico que acaba interferindo”, diz Teixeira, numa tentativa de entender o que motiva este caos na educação dos jovens.

O fato é grave, pois o Estado deixou de investir e acompanhar os estudantes, principalmente no  Entorno, onde faltam escolas.

O grande desafio do atual governador, o médico Ronaldo Caiado, é dar um choque de realismo: mostrar os números, escancarar a realidade e fazer com que Goiás saia da faixa estacionária em que se atracou. É preciso jogar bem longe esta âncora.

“Nunca tivemos uma queda tão grande em Goiás”, diz a atual secretária, assustada com o cenário que herdou, para o repórter de “O Popular”.

Ao conversar com especialistas, eles justificam: Goiás precisa ter mais hora/aula, maior acompanhamento dos índices dos estudantes (talvez por semestre) e mais professores e turmas menores. Seria o começo. E claro: menos gestores preocupados com política.

A professora Raquel Teixeira, por exemplo, é hoje mais lembrada como política (foi candidata à vice-governadora) do que como professora.   Antes foi deputada federal.

Não custa nada lembrar de uma reportagem na  revista “Veja“, em 2016, em que Raquel Teixeira aparece toda feliz dando nome a uma escola estadual goiana de “Roberto Civita”, editor de “Veja”, que nada tem em comum com a educação de Goiás.  Puro marketing.

A preocupação com marketing, com estratégias de comunicação, política e menos com educação  resultou nisso que hoje é divulgado pela imprensa.

 

Continue Lendo
Clique para comentar

Deixe um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Estado

Ex-governador Marconi Perillo emite nova nota à imprensa dirigida ao governador Ronaldo Caiado

Publicado

em

Por

Confira na íntegra nova nota emitida pelo ex-governador Marconi Perillo (PSDB) em resposta aos recentes ataques promovidos pelo governador Ronaldo Caiado (DEM).

NOTA

É certo que Goiás vive tempos sombrios, nos quais o atual governador, usando de sua posição, ameaça, vilipendia, agride muitos, e tem como alvo principal a minha pessoa.

Ante a absoluta falta de argumentos em face do caos administrativo em que foi mergulhado o estado de Goiás pela notória incompetência do atual governador, ele, em completo desequilíbrio, parte para a agressão rasteira, chula, medíocre e cruel.

Tenho o direito de me defender de agressões como qualquer cidadão. Tenho o direito de criticar como qualquer cidadão. O faço no campo político e da crítica administrativa, o que irrita, destempera e acentua o total desequilibrio do atual governador.

Me defendi quando fui atacado por ele em uma missa, local sagrado que ele sequer tem a decência de respeitar.

Me defendi quando ele, em encontro de imigrantes nordestinos, não respeitando a ocasião, me agrediu destemperadamente.

Agora, em mais um capítulo sombrio, o atual governador não só me agride, mas ataca minha família – esposa, filhas, pai e irmãos.

Estou sempre pronto para a aspereza do debate político, e calejamento para suportar e reagir a ataques pessoais. Se necessário, vou à Justiça, como todo homem civilizado faz, para defender a minha história, dentro das normas do estado de direito em que vivemos.

Quando um homem público, um governador, agride mulher, filhas, pai e irmãos, isso só evidencia a covardia do algoz.

A insanidade e fixação inexplicável do atual governador por mim extrapolaram todos os limites da civilidade e do bom senso.

Minha família eu somos vítimas de agressões gratuitas e fora de todos os parâmetros da democracia.

Não há na história recente de Goiás um governador que, de forma descompensada e irresponsável, tenha atacado a família de um ex-governante, ainda mais de maneira tão torpe.

Posturas como essa remontam à época dos coronéis.

Evidente que esses ataques fazem parte da estratégia do governador de desviar a atenção da população de sua incompetência, arrogância, inércia, inaptidão e falta de compostura para o cargo que os goianos o elegeram.

Não existe no país nenhum político sério que leve discussões políticas para o lado familiar. Em respeito à esposa e filhas do atual governador, não tecerei nenhum comentário sobre a família dele.

Digo ao atual governador que brigue comigo, e não com minha mulher, filhas, meu pai ou irmãos – para que não evidencie para todos a sua covardia.

Aceito a provocação e o desafio que ele fez. Vamos abrir, sim, as contas de cada um, e mostrar à população quem está faltando com a verdade. Todas as minhas receitas e despesas estão em minhas declarações de Imposto de Renda, tive todos meus sigilos quebrados, tenho a mais absoluta segurança dos meus atos.

Mas é importante que o atual governador aponte as provas do que acusa, afinal, se tem conhecimento de fato criminoso, tem também a obrigação de denunciar aos órgãos competentes.

Use sua polícia política, sua SS, invente fatos, acuse infundadamente e, ao final, quando for provado o uso do cargo para atacar adversários, espero que a Justiça o puna.

Como toda pessoa sóbria, ao contrário dele, que desqualifica o Judiciário, eu confio na Justiça de Deus e dos homens, e vou até as últimas consequências para tirar a máscara do atual governador. Goiás irá conhecê-lo.

Por fim, Caiado, desça do palanque e comece a trabalhar!

Marconi Perillo
Ex-governador de Goiás

Continue Lendo

Estado

Teatro de Pirenópolis receberá do governo e Iphan mais de R$ 6 milhões pra restauração

Publicado

em

Ronaldo Caiado classificou o recurso – o terceiro alcançado junto ao Instituto para Goiás – como um “presente ímpar” para o Estado, dada a importância do Teatro Sebastião Pompeu de Pina para o povo pirenopolino e goiano

O governador Ronaldo Caiado firmou mais uma parceria em prol da preservação do patrimônio goiano. Em reunião na tarde desta segunda-feira (19/8) na sede do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan), em Brasília, foi anunciado um recurso de R$ 6 milhões para a restauração e requalificação do Teatro Sebastião Pompeu de Pina, em Pirenópolis. “Estamos dando uma resposta ao povo pirenopolino e goiano. Amamos nosso patrimônio histórico e estamos lutando cada vez mais para recuperá-lo”, afirmou o governador. Desde o início de sua gestão, Caiado tem articulado, em em Brasília e em Goiânia, recursos para serem investidos na recuperação e conservação de prédios históricos do Estado.

Diretor de Patrimônio Material do Iphan, Andrey Schlee garantiu que o recurso já “está comprometido e destinado para a recuperação do prédio”. O aviso de licitação para as obras foi publicado no Diário Oficial da União na edição de sexta-feira (16/8). “A diretoria do Iphan se sensibilizou para a demanda. Fizemos um esforço grande da questão orçamentária para apoiar a iniciativa. Hoje a licitação já está na rua, ou seja, o dinheiro já está comprometido e destinado para a recuperação do teatro”, explicou.

Essa parceria do Governo de Goiás com o Iphan vai resolver um drama antigo enfrentado pelo prédio histórico, que está interditado desde 2016 e acabou sendo escorado no ano seguinte. Caiado agradeceu a sensibilidade do Iphan, lembrando que diante da atual crise fiscal do Estado, com recursos próprios só seria possível realizar uma interferência de salvamento da estrutura. “O teatro está caindo”, relatou o governador, apontando o descaso da gestão anterior com o patrimônio.

Agora, com o recurso liberado pelo Iphan, o Teatro de Pirenópolis será inteiramente requalificado. As interferências serão realizadas não só na estrutura, como nos equipamentos necessários para o pleno funcionamento do local, como ar condicionado, poltronas e demais mobiliários, equipamentos de som e de iluminação. Caiado avaliou que a obra fará do Teatro de Pirenópolis o melhor teatro do interior do Estado de Goiás.

Superintendente do Iphan em Goiás, Salma Saddi lamentou o fato de o Teatro Sebastião Pompeu de Pina ter sido restaurado anteriormente, mas não ter recebido a manutenção necessária. A partir de uma demanda encaminhada pelo governador, disse, buscou uma interferência junto ao Iphan nacional. “É a saída melhor possível. Vamos executar um excelente projeto”, garantiu.

A partir de agora, cuidar e preservar são palavras-chave. Uma das preocupações do Governo de Goiás é a conservação dos bens recuperados. O governador Ronaldo Caiado determinou que a Secretaria de Cultura de Goiás, por meio da Superintendência de Patrimônio Histórico, Cultural e Artístico, cuide da preservação dos prédios restaurados e da fiscalização dos bens tombados. “É inadmissível que um bem histórico recuperado esteja sob risco”, disse.

Também participaram da reunião na sede do Iphan o diretor de Patrimônio Imaterial, Hermano Queiroz; o diretor de Departamento de Projetos Especiais, Robson Almeida; e o diretor do Departamento Cooperação e Fomento, Marcelo Brito.

*Trabalho conjunto*
A parceria entre Iphan nacional, Iphan de Goiás e Governo do Estado se intensificou neste ano. Em abril, o Instituto anunciou a liberação de recurso de R$ 7 milhões para a recuperação do prédio da antiga Chefatura de Polícia, localizado na Praça Pedro Ludovico Teixeira, mais conhecida como Praça Cívica. O edifício, que é tombado pelo Iphan e protegido no âmbito estadual pelo Decreto nº 4.943, está fechado desde 2015 devido ao comprometimento de sua estrutura.

Logo depois, durante a celebração da Semana Santa na cidade de Goiás, o governador anunciou outra parceria com o Iphan, que liberou outros R$ 7,5 milhões para a recuperação do prédio da primeira sede da Polícia Militar do Estado de Goiás, na antiga Vila Boa. No local funciona o 6º Batalhão da Polícia Militar (BPM). Construída no século XIX, a edificação é feita com taipa, adobe e pau a pique e funcionou como sede do Comando da PM até 1936.

Continue Lendo