Conecte-se conosco

Estado

Nomeações precárias e demissões de comissionados isolam UEG do Governo Caiado

Nomeações de gerentes e pro-reitores interinos por portarias isolam o Governador Ronaldo Caiado do comando da Universidade. Servidores dizem que o Reitor Interino, Ivano Devilla, posterga a realização de eleições para o cargo de Reitor com a finalidade de se fortalecer para o pleito e assim manter o status quo marconista na instituição

Publicado

em

A demora do Governador Ronaldo Caiado em fazer as nomeações para cargos na administração da Universidade Estadual de Goiás (UEG) tem contribuído para afastar a influência do Governo do Estado nos destinos da instituição. Nomeações por portarias e demissões de comissionados indicados pelo executivo estadual seriam algumas das medidas  tomadas pelo reitor interino que, em tese, forçam o Governo a aceitar os nomes impostos pela direção da UEG.

Em março último, Resolução do Conselho Universitário da Universidade Estadual de Goiás (CsU/UEG) resolveu acatar o pedido de afastamento do docente Haroldo Reimer do cargo de Reitor da UEG e designou o docente Ivano Alessandro Devilla para responder interinamente pela reitoria da instituição, a partir de 1º de abril de 2019.

Reimer é investigado por suposta nomeação de familiares e amigos para cargos no Pronatec. Ele afirma querer ‘cuidar com mais tranquilidade da defesa’, daí ter optado pelo afastamento.

Na oportunidade, o Conselho também decidiu aprovar a antecipação da eleição do cargo de Reitor da Universidade para o mês de junho de 2019 e nomeação do eleito a partir de agosto do mesmo ano.

No último dia 26 de junho, no entanto, quando já deveria ter ocorrido o pleito para escolha do novo Reitor da instituição, o interino Ivano Devilla nomeou, via portaria, cinco docentes da instituição para ocuparem cargos de pró-reitores na Universidade, até a publicação de decreto estadual com a nomeação definitiva dos novos pró-reitores, o que ainda não ocorreu.

A UEG é uma autarquia, instituída mediante transformação jurídica operada pelo artigo 18 da Lei n. 16.272, de 30 de maio de 2008, com autonomia didático-científica, administrativa e de gestão financeira e patrimonial. O Reitor é eleito pelos professores, servidores técnico-administrativos e alunos e nomeados pelo Governador do Estado, conforme a legislação vigente. O mandato do eleito é de quatro anos.

Outro fato que demonstra parcimônia do Governo de Ronaldo Caiado em relação à UEG diz respeito às nomeações de 10 gerentes da instituição, feitas por portaria assinada pelo Reitor afastado Haroldo Reimer, em 2 de janeiro de 2019, logo após a exoneração dos então ocupantes dos cargos por decreto do recém empossado Governador Ronaldo Caiado. Essas nomeações não foram revistas pelo executivo, que detém a primazia de tais atos.

De acordo com servidores da Universidade Estadual, que pediram para não ser identificados, o Reitor Interino da Universidade age para que a instituição se distancie do Governo do Estado e atrasa deliberadamente as eleições para Reitor  com o propósito de fortalecer sua própria candidatura ao cargo maior da autarquia. Alegam, também, que as nomeações precárias para cargos de pro-reitores e gerentes têm o objetivo de forçar a efetivação destes nomes pelo executivo estadual. “Ao criarem essas interinidades por portarias, acabam forçando o Governador a efetivá-las a contragosto”, avaliam.

A Universidade Estadual de Goiás ocupa a 121ª posição no Ranking Universitário Federal. Dos últimos quatro reitores da instituição, dois têm condenação na justiça e um, afastado, responde a processo administrativo. Neste ano, a UEG completa 20 anos de sua fundação, ocorrida por fusão de 14 faculdades e universidades isoladas que existiam até então no Estado de Goiás.

Com informações do Blog Opinando

Continue Lendo
Clique para comentar

Deixe um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Estado

FOTOS | Crimes violentos seguem em forte queda em Goiás: “Aqui bandido não cresce”, garante Caiado a Moro

Publicado

em

Goiás vive uma redução histórica, constante e sistemática nos índices de crimes violentos em 2019. Acompanhados pelo ministro da Justiça e Segurança Pública, Sérgio Moro, o governador Ronaldo Caiado e o secretário da Segurança Pública, Rodney Miranda, apresentaram novos dados que comprovam que o Estado está mais seguro.

No balanço dos oito primeiros meses deste ano, Rodney demonstrou que houve queda – novamente significativa – nos índices de crimes violentos: redução de homicídios (- 18,20%), latrocínios (- 32,47%), e crimes violentos letais intencionais (- 18,61%) em Goiás, quando os índices são comparados aos números do mesmo período do ano passado.

“Nosso foco é o trabalho incansável. Aqui bandido não cresce, e essa é uma conduta de governo”, asseverou Ronaldo Caiado a Sérgio Moro. O ministro, por sua vez, salientou que Goiânia foi escolhida para a implantação do programa federal “Pra Frente, Brasil” e é também a primeira cidade em que ele realiza a visita técnica justamente porque já tem, desde o início do ano, vivenciando um cenário positivo na segurança pública. “Goiás tem números excelentes a serem apresentados, o que confirma aquele velho ditado: quando se planta, se colhe”, reconheceu Moro.

Em discurso, o ministro pontuou políticas públicas fundamentais para o êxito na segurança pública. Políticas, inclusive, que já são praticadas pelo Governo de Goiás, como a independência, integração e valorização das forças policiais. “São ações efetivas dentro da segurança, que passam por maior investimento, maior dedicação dos policiais e dos agentes de segurança pública envolvidos, e que contempla, principalmente, uma atuação coordenada entre união, estado e município”, avaliou. E acrescentou: isso tem se mostrado realmente efetivo.

Ainda sobre os dados apresentados de janeiro a agosto, a SSP-GO apontou queda em crimes como roubos a transeuntes (-65,16%), roubos de veículos (-57,70), roubos de cargas (-57,24%) e os crimes violentos contra o patrimônio (-34,54%), novamente na comparação com dados do mesmo período de 2018. O chamado “Novo Cangaço” continua extinto das ocorrências registradas em 2019 no Estado. Foram 143 quadrilhas desarticuladas, apreensão de mais de 47 toneladas de drogas e de 4,3 mil armas de fogo. O número de mandados de prisão cumpridos cresceu 34,80%.

*Tríade União, Estado e Prefeitura*
O programa “Em Frente, Brasil” já está gerando resultados positivos em solo goiano. Dados divulgados pelo secretário de Segurança Pública, Rodney Miranda, indicam redução nos índices de criminalidade nas regiões Noroeste e Oeste da capital. São bairros onde a Força Nacional trabalha em parceria com as polícias goianas desde que o projeto Federal foi implantado em Goiânia, em 30 de agosto. Os números foram apresentados durante visita à base do projeto, no 1° Comando Regional da Polícia Militar da Capital.

Comparadas ao mesmo período do ano passado, as estatísticas naquelas regiões desde a implantação do projeto indicam redução em homicídios (-80%), tentativas de homicídios (-25%), lesão corporal seguida de morte (-100%), feminicídios (-100%) e roubos (-39%). Rodney Miranda atribuiu os dados à estratégia de ação: somando inteligência e integração, a polícia consegue antecipar os crimes, reduzindo o índice de violência. “Não conheço nenhuma experiência exitosa de controle de violência no mundo que não tenha a participação efetiva dos três entes [governos federal, estadual e municipal]”, ressaltou.

Moro endossou a fala do secretário, reforçando que a ideia do presidente Jair Bolsonaro é justamente unir forças policiais no combate ao crime, envolvendo ainda os Poderes Judiciário e Legislativo. Na ocasião, o ministro tornou a elogiar o firme trabalho que vem sendo conduzido em Goiás, sob a gestão de Ronaldo Caiado. Por fim, deixou um recado aos policiais: “Estamos aqui para ampará-los, auxiliá-los. No fundo, o que conta mais no projeto é ação do homem ou da mulher da ponta, a dedicação do policial em saber que está ali servindo a população”.

Caiado agradeceu a parceria que Sérgio Moro tem demonstrado com Goiás, e afirmou que a presença de 100 homens da Força Nacional possibilita “uma troca de informações, acrescentando técnicas diferentes”. E aproveitou a oportunidade para reforçar o pedido de estender o trabalho do “Em Frente, Brasil” para a região do Entorno do Distrito Federal. Afinal de contas, assegurou, levar a segurança a todo cidadão goiano é uma política de governo, principalmente nas regiões que mais precisam. “Queremos trabalhar com resultados cada vez mais próximos do zero. Esse é o ideal”, projetou o governador.

Devido aos resultados positivos já alcançados em Goiânia, o governo estadual está avaliando junto ao ministro de Justiça e Segurança Pública a possibilidade de avançar para a segunda etapa do projeto. A previsão é que o foco territorial e a repressão qualificada abram espaço também para as ações sociais voltadas aos moradores das regiões vulneráveis. A ideia é envolver diversas áreas, como saúde, educação, cultura, esporte e lazer.

*Educação integrada*
A última visita técnica do ministro Sérgio Moro em Goiânia foi à Escola Municipal Joaquim Câmara Filho, no Residencial Jardins do Cerrado IV. Na companhia do governador Ronaldo Caiado e do prefeito Iris Rezende, o ministro assistiu uma apresentação de dança da turma de quatro anos do Ensino Infantil e da Orquestra Jovem de Goiânia.

Fotos Octacilio Queiroz

Na oportunidade, Caiado ressaltou que é preciso integrar o ensino municipal ao estadual. “Não temos que separar a educação de Goiás dos municípios. Temos que interagir 100%, até porque precisamos levar essas crianças ao ensino médio e superior”, disse.

Seguindo a mesma linha da integração, o ministro Sérgio Moro destacou que o objetivo do Governo Federal é reduzir os índices de criminalidade no Brasil e, para isso, a educação é fundamental. “É para isso que os gestores públicos trabalham, para que as crianças tenham todas as oportunidades de vida”. A visita técnica à escola foi considerada por Sérgio Moro uma forma de “fechar com chave de ouro” o dia que passou em na capital de Goiás.

Acompanharam a agenda do ministro Sérgio Moro em Goiânia: o diretor de Políticas de Segurança Pública da Senasp, Marcelo Aparecido Moreno; o secretário Nacional de Segurança Pública, general de Exército Guilherme Theophilo; o diretor da Força Nacional de Segurança Pública, Antônio Aginaldo de Oliveira; os secretários goianos Rodney Miranda (Segurança Pública) e Luiz Carlos de Alencar (Casa Militar); o comandante-geral da Polícia Militar, coronel Renato Brum dos Santos; o comandante-geral do Corpo de Bombeiros Militar, coronel Dewislon Adelino Mateus; o diretor-geral de Administração Penitenciária, coronel Wellington de Urzêda Mota; o delegado-geral da Polícia Civil, Odair José Soares; o comandante do Policiamento da Capital, coronel Edson Ferreira Moura; os deputados federais José Nelto, Major Victor Hugo, Delegado Waldir Soares, João Campos e Lucas Vergílio; o secretário de Operações Integradas, Rosalvo Ferreira; o superintendente da Polícia Federal de Goiás, Josélio Azevedo; e o deputado estadual Rafael Gouveia.

Continue Lendo

Estado

VÍDEO | Governador Ronaldo Caiado, prefeito de Goiânia Iris Rezende e Ministro Sérgio Moro em visita ao Comandando Regional da PM de Goiás

Publicado

em

Em agenda no estado, o Ministro da Justiça e Segurança Pública Sérgio Moro visitou, acompanhado do governador Ronaldo Caiado e prefeito de Goiânia Iris Rezende, o comando regional da Polícia Militar de Goiás.

Goiânia é a primeira capital do país a receber auxílio e força tarefa do governo Bolsonaro para diminuição dos índices de criminalidade

Continue Lendo