Conecte-se conosco

Capital

Sebastião Peixoto, presidente do Imas, preso em operação do Ministério Público na manhã desta quinta-feira, 21, é afastado do cargo

A investigação apura a existência de organização criminosa que, mediante falsificação ou uso de documentos adulterados, agiu para apropriar-se de verbas do instituto de assistência médica dos servidores do município de Goiânia

Publicado

em

O prefeito de Goiânia, Iris Rezende Machado, determinou o imediato afastamento do presidente do Instituto de Assistência à Saúde e Social dos Servidores Municipais de Goiânia (Imas), Sebastião Peixoto, preso na manhã desta quinta-feira, 21, em operação do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (GAECO), do Ministério Público de Goiás.

Segundo o MP-GO, a investigação apontou que as fraudes aconteciam em atendimentos médicos inexistentes, registrados em uma clínica de fachada que foi credenciada no instituto por contrato celebrado no valor de RS 10 milhões.

Os promotores apuraram o uso indevido de registros de conveniados do Imas em dezenas de procedimentos médicos fraudulentos, voltado para beneficiar a clínica conveniada e que era vinculada ao então Diretor de Saúde do próprio instituto, nomeado pelo atual presidente e que atuava autorizando os procedimentos fraudulentos.

Auditoria feita pela própria Controladoria Geral do Município de Goiânia embasam as investigações do Ministério Público.

Em nota, a Prefeitura de Goiânia informou que a atual gestão já estava e continuará colaborando com o andamento das investigações feitas pelo Ministério Público e que dará a devida resposta judicial a todos os fatos levantados até o momento.

“De imediato, o presidente do Imas, Sebastião Peixoto, e todos os envolvidos serão afastados de seus cargos até a conclusão das investigações. Até que tudo fique esclarecido, assumirá de forma interina a direção do IMAS o procurador André Quintino Paiva”, informou a Prefeitura.

Mais lidas