Conecte-se conosco

Estado

Suspeitas em contrato da Fundação Pró-Cerrado

Publicado

em

Apesar do Governo de Goiás ter afirmado que o Programa Jovem Cidadão vai continuar, uma nova polêmica voltou a circular nas mídias digitais:  a suspeita de  que a Fundação Pró-Cerrado teria vencido um contrato milionário sem licitação.

A entidade é uma das que potencialmente perdem com as mudanças nos contratos, já que existe na Controladoria Geral do Estado (CGE) a recomendação para que o acordo entre a entidade privada e poder público seja suspensa.

Conforme reportagem do portal “Diaonline”, em 2017, o contrato entre os dois entes foi de “pouco mais de R$ 50 milhões”.

O volume de recursos, aponta a reportagem, pode esconder uma série de ilegalidades. Até agora não existe nenhuma sentença transitada em julgado, mas uma preocupação com a legalidade dos contratos até hoje firmados.

A função do programa é nobre, já que insere o jovem trabalhador no mercado de trabalho através da prestação de serviços para o Estado.

Os próprios operadores do direito que atuam no Governo de Goiás já se posicionaram contra os contratos firmados pelo Estado e Fundação Pró-cerrado.

A fundação teria sido selecionada para “gerenciamento, a operacionalização e a execução das atividades administrativas de apoio para a execução do Programa Jovem Cidadão”.

Conforme técnicos do próprio governo, numa simulação de concorrência, ocorreu a inclusão de critérios restritivos para outros interessados.

ADITIVOS

Advogados setoriais do governo identificaram outras suspeitas de ilegalidades nos contratos, como os aditivos e falhas na publicidade do edital de chamamento. “Os advogados recomendaram a suspensão imediata do contrato de parceria, além de um encontro de contas entre os valores efetivamente transferidos por meio das ordens de pagamentos e a comprovada execução de serviços”.

Outra denúncia investigada pelo Ministério Público em Novo Gama, cidade do Entorno do Distrito Federal, aponta que “vários adolescentes, que no momento da admissão, possuíam renda familiar mensal superior à exigida” para figurarem no Programa Jovem Cidadão.

Conforme a reportagem, para cada jovem contratado, o governo paga R$ 428,00. A fundação, por sua vez, leva do governo o valor de R$ 752,00, considerado “taxa administrativa e pagamento de encargos trabalhistas”.

Adair Meira, apontado como um dos gestores da fundação,  chegou a ser preso em março de 2017 na Operação Terceiro Setor.

A reportagem do Goyaz tentou contato com a fundação e Adair para ouvir suas versões sobre a polêmica dos contratos e as suspeitas apontadas pelos gestores públicos e Ministério Público.

O governador Ronaldo Caiado garante que o  Programa Jovem Cidadão continuará, mas dentro dos limites da legalidade.

Continue Lendo
Clique para comentar

Deixe um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Estado

Reeducandas do presídio feminino recebem diplomas de formação em assistente de cozinha

Publicado

em

Aconteceu nesta última terça 16, na Penitenciária Feminina Consuelo Nasser, a cerimônia de formatura de reeducandas daquela unidade prisional, integrantes do Projeto Cozinha e Voz – Edição Libertando Sonhos, idealizado pelo Ministério Público do Trabalho (MPT) em parceria com a Organização Internacional do Trabalho (OIT). O projeto profissionalizou as detentas em Assistente de Cozinha, sob coordenação técnica da chef e empresária Paola Carosella, estrela do programa de competição culinária MasterChef, da Band. Na solenidade esteve presente a Diretora Jurídica do Grupo Odilon Santos, Patricia Areal, representando o Grupo, que já emprega em uma de suas empresas – a Rápido Araguaia – uma egressa do presídio e que está disponibilizando a uma das formandas de hoje outra vaga de trabalho formal em uma das garagens da empresa. Esta é mais uma ação de responsabilidade social do Grupo Odilon Santos, que é parceiro também do Projeto Longe da Rua, Perto dos Sonhos, com foco em pessoas em situação de rua.

Continue Lendo

Estado

Caiado recebe representantes do Kaikan e convite para participar do Odori 2019

Publicado

em

Eento deve reunir cerca de 8 mil visitantes e será realizado nos dias 23 e 24 de agosto, em Goiânia_

Representantes da Associação Nipo Brasileira de Goiás (ANBG) visitaram o governador Ronaldo Caiado nesta segunda-feira (15/7) e fizeram pessoalmente o convite para o Bon Odori 2019, que será realizado nos dias 23 e 24 de agosto, no clube Kaikan, em Goiânia. Caiado garantiu que estará presente. “As minhas ligações e o meu respeito à Associação Nipo Brasileira vêm de longa data. Até pela cultura, que é algo que admiro muito, e vocês conseguem mantê-la viva”, parabenizou. O exemplo, disse, é inspiração para manter também as tradições goianas. “Esse é um ponto forte. Trabalho para que Goiás preserve a sua história e suas tradições.”

Os representantes explicaram como funciona o Bon Odori e a importância do evento para Goiás. “A palavra Bon Odori significa na cultura japonesa a celebração em todas as colônias do mundo inteiro. Ao invés de ser o Dia de Finados, em que lembramos os antepassados com tristeza, para nós é motivo de festa e alegria. Significa a junção das palavras Reza e Dança”, informou o presidente do Conselho Deliberativo da ANBG, Jadir Matsuy.

Ao comentar a relevância das flores de cerejeiras, um dos símbolos do Japão, Ronaldo Caiado contou que adoraria receber um exemplar para colocar no Jardim do Palácio das Esmeraldas. “É uma forma de prestigiar a cultura japonesa em Goiás”, disse. “Vamos providenciar. Sabe como é promessa de japonês? Não deixa de ser cumprida”, respondeu Jadir Matsuy.

Durante a reunião, o presidente da ANBG, Marco Túlio, pontuou que o Bon Odori é uma forma de divulgar Goiás para o Brasil, uma vez que a celebração é considerada a maior realizada dentro de uma Associação em todo o País. “Temos uma ligação cultural muito forte com o Japão, através de nossos pais, e queremos unir a cultura japonesa com o que tem de melhor de Goiás. Temos hoje 2 milhões de nipo descendentes no Brasil e 800 famílias em Goiás.”

Ao longo dos 17 anos de existência, o Bon Odori cresceu e passou a receber cerca de oito mil visitantes em cada edição, e para a realização do evento, a Associação conta com auxílio de 400 voluntários, que fazem toda a organização durante quatro meses, com intensificação dos trabalhos nos meses de julho e agosto.

*Apoio*

Os representantes solicitaram apoio do Governo de Goiás para a execução da festa tradicional. A Associação é uma entidade sem fins lucrativos e, por isso, conta com a colaboração do poder público e demais entidades. Em resposta, Caiado explicou que o Estado não dispõe de recursos financeiros para contribuir, mas já formalizou auxílio com cadeiras, mesas, água, entre outros itens oriundos da Saneago e do Detran, para ajudar na realização do festival.

“Japonês não tem muita tradição política, mas isso também faz parte da cultura. Assim que se define o governante, devemos manter a lealdade. Pode contar conosco sempre que precisar”, afirmou o conselheiro Jadir Matsuy, em agradecimento. Sussumo Taia, também conselheiro da Associação e amigo do governador, falou do respeito e da admiração que Caiado cultiva nos goianos. “O senhor hoje é uma figura querida e amada. Eu pude participar de todas as suas vitórias. Por isso aprendi a te amar e te respeitar. Sabemos do seu potencial. Conte com nosso apoio e nossa boa vontade”, enfatizou Sussumo.

Em reconhecimento aos elogios, o governador firmou o compromisso de participar do evento. “Eu tenho por vocês uma admiração muito grande, dessa cultura, e como goiano vou lutar muito para pelo menos tentar buscar cada vez mais isso”, concluiu. Também participou da reunião o deputado estadual Eduardo Prado.

Continue Lendo